O  Aprender

 

“… o caminho para a cabeça precisa ser aberto pelo coração.” (Friedrich Schiller)

 

No mundo de hoje, cada vez mais, a informação pode ser acessada de qualquer lugar. O que antes se guardava nos livros, agora se encontra nas telas. E o jovem, que nasceu neste mundo conectado, que pode carregar uma enciclopédia no bolso, sente que a escola realmente o prepara para a vida?

 

Ser bombardeado por informações é ter conhecimento? Em que momento tudo isso faz sentido? As dez provas da semana ensinaram algo essencial para a vida?

 

Se você tem essas perguntas é porque está procurando algo a mais, que não tem a ver com quantidade. Você quer se ver parte da aprendizagem, conhecer de um modo diferente. Há caminhos para o conhecimento que não esquecem que você existe. A Escola Waldorf Francisco de Assis tem um deles.

 

O Jovem

 

“Porque eu só preciso de pés livres, de mãos dadas, e de olhos bem abertos.” (Guimarães Rosa)

 

O jovem é um ser em busca. Busca um espaço próprio onde se sinta seguro. Busca o reconhecimento de sua voz e de suas ideias. Busca respeito pelo que sente e pelo que é. E, mais que tudo, busca construir sua identidade de forma íntegra. Para isso, necessita que a escola lhe dê a oportunidade de fazer perguntas autênticas, que venham do seu mais íntimo, para que tal busca se transforme em conhecimento ativo e não em passividade apostilada.

 

O modelo de ensino Waldorf, há mais de 60 anos no Brasil, tem como regra o reconhecimento da capacidade do ser humano de aprender sob as mais diversas formas. Significa que a relação aluno-professor vai além da mera exposição teórica de conteúdos. Para a escola Waldorf, o aprender envolve todos os sentidos e algo mais. No Ensino Médio, o jovem tem a possibilidade de aprender dentro e fora da sala de aula, sentado em sua cadeira ou carregando uma enxada, elaborando uma pergunta ou expressando-se através da arte. A Escola Waldorf Francisco de Assis procura, em todo seu projeto pedagógico, pôr em prática o que de fato o jovem precisa para o mundo moderno: sabedoria.

 

O Currículo

 

O projeto curricular da escola é amplo e significativo para todas as potencialidades do jovem. Ensinar, nesse sentido, não é um mecanismo de pergunta e resposta resumida em uma apostila de múltipla escolha. A aprendizagem para nós é um processo de construção de saberes que passam pelo pensar teórico, pela expressão artística e pela aplicação significativa do conhecimento no mundo.

 

Assim, nosso Ensino Médio oferece, além do currículo básico:

 

Ciências Teóricas e Aplicadas;

Estudos da Terra e do Meio Ambiente;

Trabalhos de Campo;

Tecnologias;

Agricultura;

Agrimensura;

Literatura Universal;

História da Arte;

Espanhol;

Alemão;

Estudo de Biografias;

Coral;

Música;

Estágio Social;

Teatro;

Pintura;

Desenho;

Gravura;

Modelagem;

Escultura;

Tecelagem;

Marcenaria;

Encadernação;

Euritmia;

Esportes;

Intercâmbios;

Viagens Pedagógicas;

Trabalhos de Conclusão de Curso.

As Classes

 

“Saber não é suficiente, temos que aplicar; querer não é suficiente, temos que fazer.” (Goethe)

 

Nosso Ensino Médio tem início no 9º ano (oficialmente, último ano do Ensino Fundamental), momento em que a classe passa a ser conduzida por um professor-tutor, que terá o papel de auxiliar os alunos a desenvolverem seu caminho de autonomia para a idade adulta. Nessa faixa, os estudantes são estimulados a buscar novas referências, reconhecendo o mundo através da prática da Agricultura e visualizando ideais no estudo de grandes biografias. A polaridade vivenciada por esses jovens irá refletir em todo o currículo, dando sentido a seus questionamentos, mesmo que ainda em processo de amadurecimento.

 

10º ano

Os alunos já são capazes de entender o mundo comparativamente, de medi-lo, na Agrimensura, de discutir o arcaico e o moderno na História e na Literatura. As oposições agora querem ser complementares, querem verificar a mecânica dos fatos, como na Física, ou a dinâmica dos fenômenos atmosféricos, como na Geografia.

 

11º ano

A maturidade intelectual e a disposição afetiva se mostram mais acessíveis e permitem a abertura de novas portas para o conhecimento através de Estágios Sociais, de discussões éticas das Ciências e Filosofia, do estudo literário de obras de profundo significado para o jovem. A autoconsciência e a consciência social se juntam para proporcionar ao jovem uma relação com o mundo que se paute pela ética e construção de valores.

 

12º ano,

Último do Ensino Médio, o Teatro, desenvolvido integralmente pelos alunos, põe em prática seus saberes sociais, técnicos e artísticos. Uma visão panorâmica da aprendizagem lhes é agora oferecida, permitindo-lhes um olhar completo e crítico sobre os conteúdos de ensino e sobre o próprio processo de conhecimento. O Trabalho de Conclusão de Curso, cujo tema é escolhido pelo aluno, é a síntese acadêmica de seus anos de estudo.